segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Bate e volta à Andorra - roteiro e por onde começar

Quando começamos os preparativos desta viagem decidimos incluir uma visita aos Pirineus logo de cara !! Estaríamos ali pertinho, em Barcelona, e nada melhor que conhecer o país Andorra em pleno inverno

Na verdade, Andorra foi incluída desde o início, mas não tínhamos certeza se esse bate e volta seria possível. Primeiro devido ao clima - estávamos com medo de uma nevasca e dirigir pela neve sem nenhuma experiência. Segundo porque teríamos que ir de carro - não há aeroportos ou trens em Andorra e a viagem de ônibus no estilo bate e volta torna-se inviável devido aos horários. Terceiro porque achei pouquíssimas informações sobre Andorra na internet ou, quando estava, falavam especificamente sobre as estações de esqui, que não eram nosso foco

Justamente pela dificuldade na obtenção de informações turísticas sobre Andorra que decidi adiantar e preparar este post antes dos outros da viagem.

Como mencionei antes, nosso objetivo não foi esquiar ou passar dias explorando os Pirineus. Fizemos um bate e volta a partir de Barcelona e conhecemos a capital Andorra-la-vella e subimos até os Pirineus para ver a neve haha



Andorra é um pequeno principado localizado entre a França e a Espanha. A capital, Andorra la vella é também considerada capital dos Pirineus e, portanto, base para muitos amantes de esportes de inverno.
Apesar de pequeno, o país é o único que apresenta o catalão como língua oficial e possui atualmente a maior expectativa de vida do mundo ! Aproximadamente 83 anos

No inverno, o país recebe milhares de turistas atraídos não só pelo frio, mas por esportes como o esqui. No verão, as montanhas também tornam-se atrativo, com trilhas, campings, etc


COMO CHEGAR 

Chegar em Andorra não é tão fácil. O país não dispõe de aeroportos ou estações ferroviárias. 
Os aeroportos mais "próximos" são os de Barcelona (205 km), Toulouse ou Girona.

Há ônibus saindo de Barcelona diariamente até Andorra (e em direção inversa), porém com horários nada convidativos para um bate-volta. Abaixo alguns links de cias que fazem o trajeto 

A melhor opção é, sem dúvidas, utilizar o carro. Foi o que fizemos, sem arrependimentos.
As estradas são ótimas, bem sinalizadas e com lindos visuais (incluindo uma vista incrível do Montserrat) mas prepare-se para os pedágios nas estradas principais


Montserrat



Apesar de ser inverno, não pegamos nevasca. Apenas alguns focos isolados nas montanhas marginais.


DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA 

Chegamos apenas com os documentos básicos, incluindo passaporte, carteira de motorista do Brasil mesmo e seguro saúde, além de documentos básicos. 

Ao chegar no principado, você passa pela imigração. Como trata-se de uma imigração padrão, é orientado levar documentos que comprovem suas intenções turísticas, como reserva de passagens e hotéis, comprovante de vínculo com o seu país de origem, etc ... Os documentos que levamos em qualquer imigração mesmo.

Imigração de Andorra

No meu caso, não tive problemas. Entrei na fila de carros entrando no país e não fui parada em nenhuma circunstância. 

O CLIMA

Fui no inverno, então estava preparada para o frio. Na capital, peguei cerca de 4 a 10 graus positivos, tranquilo. Quando subi até o topo dos Pirineus, na estação de esqui Granvalia peguei dez graus NEGATIVOS!

Quem está no país em busca de esportes de inverno, princ o esqui deve atentar-se para uma coisa em especial : as estação de esqui de Andorra não costumam alugar roupas esportivas. Muitas são vendidas na capital, mas aluguel mesmo não vi em nenhum local 


ROTEIRO

Não irei dar dicas de hotéis porque, infelizmente, não passei nenhuma noite no país. Como falei, foi um bate e volta. Foi tempo suficiente para conhecer a capital superficialmente, ver a neve e realizar o sonho de chegar ao topo dos Pirineus, mas com certeza ficaria mais tempo se pudesse. E pretendo voltar!

Cheguei em Andorra por volta de onze horas da manhã de um sábado frio e ensolarado. É incrível como os condados são próximos! Passei por Santa Julia de Loria (onde fica o parque Naturlandia) e, em menos de cinco minutos, já estava entrando em Andorra la vella. Passei pela capital e segui direto até Soldeu, distante quinze minutos de carro da capital.

A pequena cidade de Soldeu


Uma vez em Soldeu, deixei o carro estacionado e fui direto para o teleférico, que nos deixa na estação de esqui de Grandvalira, 2.500 metros de subida, uma das maiores do país. 


As viagens começam de manhã e a última é s 17h. O custo do teleférico foi de onze euros por pessoa, com direito a duas viagens de ida e volta. Há também preços diferenciados para aqueles que querem praticar o esqui e até combos para vários dias na estação.


Chegando a estação uma palavra é primordial : CUIDADO! 
A estação é de esqui, então a prioridade é deles! Como fui só par conhecer, não sai correndo que nem uma louca, mas segui para os locais com menor movimento para curtir a minha neve haha





Passei umas boas duas horas por ali, fazendo guerrinha, caindo e em várias tentativas frustradas de montar um boneco, haha

Obs.: Há diferentes níveis de dificuldades nas pistas. Para aqueles que não sabem esquiar, há pistas mais fáceis com trilhas guiadas.



Mesmo que não vá esquiar, o ideal é ir com sapato impermeável, melhor para diminuir a umidade (e o frio nos pés) e mais estável na neve 

Peguei novamente o teleférico, desta vez descendo até Soldeu. Segui de carro até a capital : Andorra la vella.

Uma das coisas mais chatas em Andorra é o estacionamento. Há vários pagos no centro, porém, como muitas pessoas vão para as estações, deixam os carros o dia todo e vagas podem ser escassas.


A cidade é uma gracinha. Tudo o que eu sempre imaginei de uma cidade na montanha, com neve. Lota principalmente à noite, quando os esportistas descem das estações (que costumam fechar as 17h) em direção à capital, à procura de lojas e restaurantes super charmosos



Almocei no restaurante La Taverna. Super recomendo. Comida deliciosa a preço justo e com ótima localização

Depois do almoço, segui pela rua principal de Andorra, onde estão localizadas a maioria das lojas e restaurantes, a Avenida Meritxell





Andorra é famosa por ser considerada um paraíso para compras, com preços abaixo do restante da Europa e maior flexibilidade em impostos.






Seguindo a própria Av. Meritxell, é possível ter uma boa visão da Caldea, centro de banhos termais bastante famoso por lá, aberto ao público com horários pagos.

Caldea 

Segui a Av. Meritxell praticamente até o final, seguindo placas da Casa de Vall. No meio do caminho, parei na praça (ainda com árvore de Natal) onde se encontra uma escultura em formato de relógio, feita por Salvador Dali.


Segui, agora na rua lateral em subida, até a Praça Belloch, onde situa-se a antiga Igreja romântica de Sant Esteve, datada do século XII

Igreja de Sant Esteve 

Continuando por mais ou menos três minutos de caminhada, cheguei até a Casa de Vall, antigo parlamento de Andorra.

Casa de Vall

Casa de Vall

Visão do parlamento


A casa atualmente é um museu aberto à visitação, contando com tours guiados. Bem em frente, está o atual parlamento e, do próprio pátio, tem-se uma visão maravilhosa de Andorra e das montanhas dos Pirineus

A viagem até Andorra foi fantástica, um bate e volta super agradável. Não serviu para explorar tudo o que este pequeno país tem a oferecer, mas valeu para um primeiro contato neste país que me encantou totalmente e a vontade de voltar em breve. Até mais, Andorra








Um comentário:

  1. Oi! Adorei suas dicas! Quanto tempo de viagem foi o percurso de ida e o de volta? E quanto tempo você acha necessário, em média, para ficar em Andorra nesse bate-volta? Obrigada.

    ResponderExcluir